A parábola das duas maçãs

A parábola das duas maçãs

Uma garota segurava em suas mãos duas maçãs. Sua mãe entrou e lhe pediu com uma voz doce e um belo sorriso:

– Querida, você poderia dar uma de suas maçãs para mamãe?

A menina levanta os olhos para sua mãe durante alguns segundos e morde subitamente uma das maçãs e logo em seguida a também morde a outra.

A mãe, decepcionada, sente seu rosto se esfriar e perde o sorriso. Ela tenta não mostrar sua decepção quando sua filha lhe dá uma de suas maçãs mordidas.

Nesse momento a pequena menina olha sua mãe com um sorriso de anjo e diz:

– A mais doce é essa que te dei mamãe!

Quantas vezes passamos por experiências como a mãe desta história.

Nós temos mania de julgar as pessoas por que às vezes achamos que somos melhores, que temos maior conhecimento e que entendemos mais de determinado assunto.

Muitas pessoas têm dificuldade em comunicar o que pensa ou sente.  Por isso precisamos apreender a ouvir mais as pessoas, mesmo que a pareça estranha a sugestão, mas no final poderá ser uma ótima ideia ou até mesmo uma grande solução para um determinado problema.

Na parábola acima, a atitude da menina parecia ser egoísta, mas ela não pensou sem si mesma. A ação, a princípio estranha, garantiu que a mãe saboreasse a melhor maçã.

Como gestor, você tem valorizado as ideias de sua equipe? Ou tem imposto apenas as suas?

Deixe seu comentário abaixo e compartilhe nas suas redes sociais.

Tags: | | |

Sobre o Autor

Gediel Mendes
Gediel Mendes

Jornalista diagramador, Palestrante, Graduando em Marketing Digital pela Universidade Positivo e Administração pela Fael. Como empreendedor ganho dinheiro trabalhando em casa pela internet. Amo minha esposa, minha família, minha profissão e meu Deus!

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.